terça-feira, 15 de agosto de 2017

Ranking Histórico do Campeonato Português


Atendendo a pedidos, trago aqui o Ranking Histórico do Campeonato Português, lista que leva em conta os resultados de todas as temporadas já disputadas no torneio, desde 1934-35. A metodologia para montagem é a mesma dos outros rankings históricos e está explicada aqui.
 
Pos
Equipe
Pontos
1
Benfica
5.566,7
2
Porto
4.810,4
3
Sporting
4.144,3
4
Belenenses
1.574,9
5
Vitória (Guimarães)
1.187,4
6
Boavista
1.040,7
7
Vitória (Setúbal)
958,3
8
Sporting Braga
956,2
9
Académica
796,6
10
Marítimo
470,6
11
CUF
328,0
12
Atlético
314,3
13
Estoril
291,4
14
Barreirense
290,9
15
Leixões
264,3
16
Olhanense
243,6
17
Nacional
238,7
18
Rio Ave
237,7
19
Beira Mar
229,0
20
Farense
224,0
21
Paços de Ferreira
221,9
22
Salgueiros
221,2
23
Varzim
212,7
24
União de Leiria
210,6
25
Sporting Covilhã
173,1
26
Gil Vicente
162,8
27
Lusitano Évora
161,4
28
Desportivo de Chaves
152,8
29
Estrela da Amadora
152,0
30
Portimonense
151,5
39
Moreirense
56,5
46
Feirense
38,1
56
Desportivo das Aves
19,8
61
Tondela
12,5

Nas primeiras posições, nenhuma surpresa. Os três gigantes de Portugal lideram a lista, com uma considerável diferença entre eles e enorme distância para as outras equipes. O líder Benfica, aliás, ostenta uma marca impressionante: em 83 anos de campeonato, apenas 1 vez não terminou a competição entre os 4 primeiros colocados (foi na temporada 2000-01, quando ficou em 6º). Porto e Sporting também “derraparam” poucas vezes: os Dragões ficaram fora do “top 4” 6 vezes, e os Leões, 5.

O 4º colocado da lista pode ser considerado uma surpresa, pelo menos para quem não conhece a fundo a história do futebol português: é o Belenenses, que ainda conta com uma considerável vantagem sobre as outras equipes. Apesar de inesperada, sua presença no alto da lista faz sentido. Não só o Belenenses já foi campeão nacional (em 1945-46), como em outras 26 ocasiões terminou o campeonato entre os 4 primeiros colocados.

O 5º colocado, o Vitória Guimarães, conseguiu sua posição por um caminho totalmente diferente. O time nunca foi campeão nacional, nem vice. Por outro lado, tem enorme regularidade ao longo da história, ficado fora da primeira divisão só 4 vezes nas últimas 75 temporadas. Além disso, nesse período, acabou o campeonato entre os 10 primeiros 62 vezes.

Atualmente, os 8 melhores do ranking disputam a Primeira Liga. O melhor time fora da divisão de elite é a Acadêmica, 9ª na lista. Ela e o Leixões são os clubes com mais tradição que hoje disputam a Segundona portuguesa.

quarta-feira, 7 de junho de 2017

Média de gols dos principais campeonatos de futebol do mundo



Confira abaixo o ranking com a média de gols dos 20 campeonatos mais importantes no mundo do futebol, durante a temporada 2016-17 (para os países com calendário solar, foi considerado o ano de 2016):

Pos
Torneio
Média de Gols
1
Liga dos Campeões 2016/17
3,040
2
Campeonato Italiano 2016/17
2,955
3
Campeonato Espanhol 2016/17
2,942
4
Campeonato Holandês 2016/17
2,889
5
Copa Libertadores 2016
2,881
6
Campeonato Alemão 2016/17
2,866
7
Campeonato Norte-Americano 2016
2,818
8
Campeonato Inglês 2016/17
2,800
9
Campeonato Escocês 2016/17
2,754
10
Campeonato Belga 2016/17
2,741
11
Campeonato Coreano 2016
2,711
12
Campeonato Turco 2016/17
2,709
13
Campeonato Mexicano 2016/17
2,626
14
Campeonato Japonês 2016
2,621
15
Campeonato Francês 2016/17
2,608
16
Campeonato Argentino 2016
2,510
17
Campeonato Brasileiro 2016
2,400
18
Campeonato Português 2016/17
2,379
19
Campeonato Grego 2016/17
2,317
20
Campeonato Russo 2016/17
2,133
*As médias não incluem “playoffs” de promoção/rebaixamento, nem partidas de classificação para torneios internacionais (mas incluem jogos de mata-mata que valem na briga pelo título)

Quando um torneio conta com os melhores jogadores do mundo e também alcança a média de gols mais alta, você tem um produto irresistível. E é isso que a Liga dos Campeões foi na última temporada. Embora o resultado final (Real Madrid campeão) tenha sido previsível, o que se viu durante a temporada foi um futebol ofensivo e atraente, com muitos gols mesmo nos confrontos entre gigantes – os três jogos mais fortes das oitavas-de-final (City x Monaco, PSG x Barcelona, Bayern x Arsenal), por exemplo, tiveram média de quase 6 gols por partida. Do ponto-de-vista do fã de futebol, poucas vezes na história se viu um torneio tão atraente.

Para quem fica preso aos clichês do futebol, a lista traz um choque: a Série A italiana teve a maior média de gols entre os campeonatos nacionais. De fato, o número de gols no país ficou bem acima do normal. Por outro lado, vale dizer que, apesar da fama de retranqueiro, o Italiano não costuma figurar nas últimas posições da lista (geralmente aparece no meião da tabela).

O torneio que está se consolidando entre os mais retranqueiros do mundo, infelizmente, é o Campeonato Brasileiro. Em 2016, a Série A ficou apenas em 17º lugar na lista – e ainda foi melhor que no ano anterior, quando ficou em penúltimo. Já é o 5º ano seguido que o Brasileirão aparece entre os 4 últimos do ranking. E tem gente que ainda acha que jogamos futebol bonito por aqui...

Evolução histórica


Comparando com anos recentes – e com as últimas décadas – a temporada 2016-17 teve boa média de gols, conforme mostra o gráfico abaixo:

*Em azul, média de gols dos 8 principais campeonatos da Europa (Liga dos Campeões, Inglês, Italiano, Espanhol, Alemão, Francês, Holandês e Português). Em vermelho, média de gols dos 3 principais campeonatos da América do Sul (Libertadores, Argentino e Brasileiro).

A média de gols geral de 2016-17 na Europa foi de 2,810. Nos últimos 30 anos, só a temporada 2012-13 teve índice maior (2,834). Ainda há espaço para crescer e bater novos recordes, já que o Holandês e o Alemão – campeonatos que costumam alcançar as maiores médias do mundo – não tiveram temporadas das mais ofensivas.

Na América do Sul, os resultados também foram positivos. Embora o Brasileiro e o Argentino continuem entre as 5 piores médias de gols do mundo, seus números em 2016 foram melhores que os de 2015. A Libertadores foi ainda melhor, com uma boa média de 2,881. Esse resultado puxou para cima o índice sul-americano, que cravou seu melhor resultado desde 2008. Será esse o fim de uma tendência de queda que vem desde 2001? Torçamos para que sim.